Loading...

28/02/2018

Futebol e solidariedade: 3 vezes em que o esporte fez um bem!

Estranhos se tornam melhores amigos nos 10 minutos finais de uma partida difícil. Colegas de time viram uma nova família. A ânsia pela vitória, de ver a alegria de milhares de torcedores e de seus jogadores favoritos, tudo isso faz com que o futebol seja não só um esporte coletivo, mas também um esporte que inspira a coletividade.

É por isso que ele se tornou um dos maiores mobilizadores de iniciativas solidárias no país. 

Combinando a paixão do brasileiro pela bola no pé e o potencial que o setor esportivo, em geral, tem de despertar a vontade de ajudar o próximo, tanto jogadores quanto organizações têm se unido para fazer a melhor jogada em prol dos mais necessitados.

Por isso, nós separamos 3 iniciativas que mostram como o futebol se alia ao terceiro setor, proporcionando mais alegria e melhores condições a quem precisa e provando que é, essencialmente, um esporte sobre união.


Seleção Brasileira de Futebol Social

 

Você sabia que a nossa seleção de Futebol Social também bate um bolão? 

Ela foi tri-campeã mundial em 2017 e se tornou a maior vencedora da Homeless World Cup, um torneio internacional de futebol em que as equipes são formadas por pessoas desabrigadas ou que vivem em condições precárias de moradia.

Nosso time é treinado pelo fundador da ONG Futebol Social, que promove uma iniciativa pioneira de integração de jovens em comunidades carentes de todo o Brasil. Seu objetivo principal é motivar e fortalecer os habitantes dessas comunidades através do esporte, tirando-os de perto das drogas, da violência e da pobreza e oferecendo uma oportunidade de seguirem carreira como esportistas.

Desde 2004, o projeto já atendeu mais de 20 mil jovens de diversos estados e regiões do país atuando pela rede Futebol Social, que abrange projetos sociais e movimentos comunitários em periferias, favelas, comunidades ribeirinhas e quilombolas, entre outros grupos e regiões socialmente excluídos.

Por sua vez, a Homeless World Cup promove a criação de laços não só dos jovens com o esporte, mas com outros jogadores de diversas partes do mundo. Ela já teve campeonatos realizados em Paris, na França, e em Glasgow, na Escócia. A última vitória do Brasil aconteceu na Noruega, na cidade de Oslo.

E os ganhos por trás dessa iniciativa são simples, mas significativos: o futebol traz um suporte que esses jovens não encontram em suas comunidades. Jogando, eles se sentem parte de um grupo e têm um lugar de pertencimento.

Isso funciona como um catalisador para mudanças ainda mais positivas, ainda que de forma indireta.


Spirit of Football: o espírito do futebol

 

A ONG Spirit of Football, do Reino Unido, é mais uma iniciativa que está buscando ajudar jovens carentes a se integrarem através do esporte. 

A iniciativa atua por meio de projetos em diversos locais ao redor do mundo, enfatizando o papel que o futebol pode desempenhar na mudança e no desenvolvimento social.

Ao criar uma experiência compartilhada e incentivar os laços entre a comunidade global de futebol em geral, The Ball (como chamam a sua trajetória) agrega valor às organizações existentes nos países parceiros, bem como ao próprio futebol.

Uma de suas ações mais significativas é a promoção de workshops e atividades em escolas - iniciativa que a organização quer trazer para o Brasil. Por isso, está em busca de instituições de educação que disponibilizem um campo de futebol ou ginásio para treinamento, além de uma sala de palestras para a realização do projeto no país.

A ideia é formar times de futebol com jovens carentes de várias regiões. Além dos treinos e das palestras, os jovens terão acesso a aulas de inglês e de informática.

Os melhores alunos também contarão com o apoio da Spirit of Footbal para conseguir bolsas de estudos no exterior através do futebol.


GRAAC Futebol Clube

 

O GRAACC é uma instituição social sem fins lucrativos, fundada em 1991 com o objetivo de garantir a crianças e adolescentes com câncer todas as chances de cura. Mas além de diagnosticar e tratar o câncer infantil, o GRAACC atua no desenvolvimento do ensino e pesquisa na área de saúde e, por ano, mais de 3.500 pacientes são atendidos pela iniciativa. 

Como forma de arrecadar fundos e conscientizar as pessoas sobre seu trabalho, a instituição fundou o GRAACC Futebol Clube - um time de futebol solidário que conta com a participação de diversos jogadores dos clubes mais tradicionais do país em uma partida especial em prol dos mais necessitados.

Em 2017, o jogo teve a presença de Roger, do Botafogo, Sidão, do São Paulo, Bruno Henrique, do Santos, Geuvânio, do Flamengo, Hyuri, do Atlético Mineiro, além de celebridades como o Japinha, do CPM 22, André, do Desimpedidos, e Reinaldo Gottino, jornalista da TV Record.

O jogo foi transmitido ao vivo pela ESPN e aconteceu no Estádio do Pacaembu, em São Paulo, com ingressos gratuitos.


O poder do esporte

 

Mas o poder solidário do esporte não está restrito ao futebol. 

O World Giving Index de 2017 - o índice mundial de solidariedade - registrou o Brasil como o 5º país mais solidário do mundo graças, principalmente, ao trabalho voluntário gerado pelas Olimpíadas no Rio de Janeiro.

Além disso, temos diversas outras iniciativas que combinam o esporte com ações solidárias, como caminhadas de inclusão e campeonatos de diferentes modalidades para arrecadação de recursos para ONGs.

Você já participou de alguma?

Siga nossos perfis no Instagram e no Facebook e compartilhe com a gente!

 

Vamos #Fazer1Bem, juntos!